13/04/2021 às 17h16min - Atualizada em 13/04/2021 às 17h16min

Comitiva do Exército vistoria área da possível Escola de Sargentos das Armas em PG

"Para o Exército, Ponta Grossa representa a modernidade", afirma secretário estadual de Segurança Pública

Da assessoria
Foto: Divulgação
Uma comitiva do Exército Brasileiro designada para avaliar a estrutura da cidade e discutir a possibilidade de implantação da Escola de Sargentos das Armas (ESA) no município esteve em reunião na Prefeitura de Ponta Grossa na manhã desta terça-feira (13). Estavam presentes o general-de-divisão Carlos Assumpção Penteado, comandante da 5ª Divisão do Exército, o general-de-brigada Paulo Alípio Branco Valença, diretor de Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente (DPIMA) do Exército Brasileiro, o general-de-brigada Sérgio Martins, comandante da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada e juntamente de um corpo de oficiais e técnicos do Exército.

O encontro foi conduzido pela prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Schmidt, e contou com a presença do secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, do secretário de Estado da Segurança Pública, coronel Romulo Marinho Soares, e de representantes do Instituto de Água e Terra, e das estatais Compagás, Copel e Sanepar.

A prefeita Elizabeth Schmidt avaliou que a conjunção é ideal para a vinda da ESA para Ponta Grossa. Em discurso na abertura do encontro, lembrou que todas as forças da cidade estão do mesmo lado por quererem o melhor para a cidade. "Estamos preparados, estamos aptos e estamos dispostos a sustentar uma aliança que vai atravessar décadas e sobreviver a todos nós", disse a prefeita.

O diretor de Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente (DPIMA) do Exército, general Paulo Alípio Branco Valença, aponta que a avaliação será totalmente técnica. Segundo Valença, a Diretoria conta com uma equipe interdisciplinar entre militares e civis, que entende que não se faz administração do patrimônio imobiliário sem a correspondente gestão do meio ambiente. "Além disso, precisamos de certidões cartoriais, de documentos dominiais. É preciso verificar cessões de área para a agricultura familiar, saber da existência de redes aéreas ou redes subterrâneas e as situações que estes fatores se encontram atualmente. Precisamos ter acesso a questões de perímetro, evoluindo para uma poligonal georreferenciada para o memorial descritivo do imóvel", explica o general, relatando que esse memorial será encaminhado para o alto comando do Exército Brasileiro, que vai definir a cidade que sediará a ESA.

O general Carlos Assumpção Penteado, comandante da 5ª Divisão do Exército, disse que a região possui todas as organizações militares necessárias para uma boa formação de um sargento: todas as armas da infantaria, todas da cavalaria, todas de artilharia e todas da engenharia. "Um sargento nosso estará em uma área completa para a formação nesses aspectos", destaca Penteado.

O secretário de Estado de Segurança Pública, coronel Romulo Marinho Soares, salientou que todas as partes interessadas ganham com a vinda da ESA para a cidade. "Para o Paraná, o ponto forte é o investimento de R$ 1,2 bilhão. Para o Exército, Ponta Grossa representa a modernidade. Ponta Grossa é uma cidade que, nos próximos 30 anos, estará preparada como Campinas foi para São Paulo, isto é, muitos investimentos que vêm para o Paraná vêm para Ponta Grossa pela proximidade com a capital. Além disso, o diferencial maior é que vai incorporar no patrimônio do Exército um espaço de 50 km² que vale mais de R$ 1 bilhão", disse Marinho.

O secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, assegurou o comprometimento do Governo do Estado com Ponta Grossa para garantir essa operação. "Daremos toda a assessoria, trabalho e investimentos necessários para viabilização das áreas, dos acessos da logística e da mobilidade, com todo o respaldo do Governo do Estado para que a ESA venha ao Paraná". 

Entre as vantagens propostas para a instalação da ESA em Ponta Grossa, o município oferece a isenção de ISSQN nas obras de construção da escola; a criação de Zona Especial Militar no perímetro da ESA, conferindo flexibilidade para os projetos da escola e Vila Militar; acesso adicional à ESA; construção do novo contorno de Ponta Grossa; ampliação da infraestrutura aeroportuária; cessão de hangar para operações de suporte para a ESA; disponibilidade de serviços de saneamento, energia e comunicação da mais alta qualidade na área de operação; cooperação com universidades e institutos de inovação em projetos e pesquisas de interesse do Exército Brasileiro.

A comitiva, acompanhada da prefeita Elizabeth, sobrevoou a área disponibilizada para a implantação da ESA em Ponta Grossa, próxima ao Distrito Industrial e no período da tarde foram fazer o reconhecimento terrestre.

ESA em Ponta Grossa

Ponta Grossa é uma das três finalistas do processo de seleção do município que irá sediar a ESA, uma das mais tradicionais instituições militares brasileiras. Se confirmada, a implantação da ESA em Ponta Grossa representaria um crescimento substancial ao contingente militar já existente, com reflexos positivos no desenvolvimento de toda a cidade, inclusive em função dos impactos econômicos dessa conquista.

Ponta Grossa disputa a Escola com outras duas cidades, Santa Maria no Rio Grande do Sul e Recife, em Pernambuco.

Notícias Relacionadas »