22/04/2021 às 11h39min - Atualizada em 22/04/2021 às 11h39min

Empresa é investigada por vender doses da AstraZeneca sem garantir entrega

Segundo a polícia, mais de 20 municípios receberam a oferta fraudulenta

CNN Brasil
Foto: Divulgação
A Polícia Civil do Rio de Janeiro cumpre nesta quinta-feira (22) oito mandados de busca e apreensão contra suspeitos de fraudes em oferta de vacinas contra a Covid-19, informa a 'CNN Brasil'. A empresa e seus representantes são investigados por venderem lotes do imunizante de Oxford/AstraZeneca a prefeituras sem garantir a entrega do produto. Segundo a polícia, mais de 20 municípios receberam a oferta fraudulenta da empresa.

Segundo a Polícia Civil, a empresa oferecia cada dose por US$ 7,90 (R$ 44,00) para municípios. No entanto, como as doses da AstraZeneca estão todas destinadas a consórcios internacionais e a governos de países, não há doses remanescentes para serem comercializadas com empresas privadas ou mesmo com estados e municípios.

Entre os municípios que receberam oferta da empresa, sediada em Recife, estão Duque de Caxias e Barra do Piraí, no Rio; e Porto Velho, em Rondônia. A capital rondoniense, por exemplo, já teria, segundo a Polícia Civil, feito o pagamento, mas ainda não recebeu as doses.

A operação está sendo feita em parceria com a Polícia Civil de Pernambuco e a Polícia Rodoviária Federal (PRF). 

Como funcionava o esquema

O contrato apresentado pela empresa informava que as cidades deveriam realizar o pagamento antecipado por meio de "Swift" (remessa internacional) ou carta de crédito no momento da suposta postagem das doses em Londres, no Reino Unido. Os agentes verificaram que a empresa, além de ser recém-criada, utiliza como endereço um escritório de co-worker e ocultava os dados de registro de seu site. 

O delegado Thales Nogueira, titular da delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro (DCC-LD), informou que a investigação começou por meio do compartilhamento de informações entre setores da inteligência da unidade policial, da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e da PRF.  

“Com autorização judicial da 1ª Vara Especializada da Comarca da Capital, a Polícia do Rio realizou a gravação de uma reunião em que os sócios da empresa oferecem as doses para a prefeitura de Barra do Piraí e utilizam como exemplo o município de Porto Velho, em que já houve o pagamento e atraso na entrega das doses prometidas.” disse o delegado.

Os envolvidos responderão pelos crimes de organização criminosa e estelionato contra a administração pública.

Notícias Relacionadas »