28/04/2021 às 08h57min - Atualizada em 28/04/2021 às 08h57min

VÍDEO: Cenas de intensa aglomeração são registradas no Terminal Central de PG

Concessionária tem até esta quarta-feira (28) para quitar os salários atrasados, sob pena de multa diária no valor de R$ 12 mil

Da redação
Foto e imagens: Jornal Ponta Grossa
Cenas de intensa aglomeração foram registradas no Terminal Central de Ponta Grossa na noite desta terça-feira (27). As imagens mostram um número anormal de pessoas se espremendo no ponto de embarque para o bairro de Uvaranas para tentar entrar no articulado. 

O responsável pelas imagens faz um discurso indignado enquanto grava as cenas. Segundo ele, o “pessoal” tem falado muito sobre a organização do fluxo de pessoas, mas a Prefeitura “infelizmente não resolveu a situação”. Classificando o problema como “envergonhante”, o passageiro diz que os governantes “não estão nem aí para a população”.

“Tem muitos colaboradores da Viação Campos Gerais [VCG] que ainda não receberam os seus salários, uma falta de respeito. A população que, infelizmente, não tem possibilidade de usar outros meios de transporte tem que se submeter a esse tipo de situação. Enquanto isso, os nossos governantes estão aí, no ar condicionado. É uma falta de respeito”, afirma. 

De acordo com a passageira Daniele Bernardes, que costuma pegar o ônibus constantemente para trabalhar, a situação já era um “inferninho” quando o transporte coletivo funcionava com toda a frota. “Então imagina agora…  Em dias normais, esse ponto já fica abarrotado de gente. Para ir a Uvaranas, é um baile. Agora está muito pior”, relata.

Pagamento 

Em sentença publicada na última segunda-feira (26), a Justiça do Trabalho de Ponta Grossa, através da juíza Christiane Bimbatti, determinou que a VCG pague os salários atrasados dos trabalhadores até esta quarta-feira (28), sob pena de multa diária de R$ 12 mil em caso de descumprimento.

Segundo o entendimento da magistrada, o município de Ponta Grossa também possui responsabilidade pelo transporte público, de forma subsidiária, o que significa que, se a empresa não pagar, a Prefeitura deverá arcar com o pagamento.

Em conversa com a redação do ‘NCG’, a assessoria de imprensa da concessionária afirma que a empresa não vai se pronunciar sobre o assunto. A assessoria também não informa se os pagamentos serão realizados no prazo determinado.

A Prefeitura ainda não emitiu nenhum comunicado oficial a respeito. O transporte coletivo continua a operar com apenas 50% da frota desde o dia 9 de abril último, por determinação judicial. 

Confira as cenas registradas na noite desta terça-feira (27):



Notícias Relacionadas »