30/04/2021 às 10h30min - Atualizada em 30/04/2021 às 10h30min

Primeira usina termoelétrica do Brasil é inaugurada em PG

Além dos ganhos ambientais, a usina proporciona uma redução nas contas de energia elétrica dos prédios públicos

Da assessoria
Foto: Divulgação
A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, juntamente com a Ponta Grossa Ambiental (PGA), concessionária de limpeza urbana da cidade, inauguraram nessa sexta feira (30) a UTB - Usina Termoelétrica a Biogás. A construção da Usina foi anunciada em janeiro de 2020, pelo ex-prefeito Marcelo Rangel, através de uma coletiva de imprensa.

Desde a publicação da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), no ano de 2010, o município, juntamente com a PGA, vem implantando melhorias e adequações a fim de atender integralmente os requisitos impostos pela legislação.

No ano de 2016, o município iniciou a coleta seletiva de materiais recicláveis, destinando-os para associações de catadores. Já no ano de 2019 o aterro do Botuquara, foi encerrado, e os Resíduos Sólidos Urbanos passaram a ser destinados para o Aterro Sanitário do CTR Vila Velha.

Por fim, para dar cumprimento integral à Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), iniciou-se um estudo para destinação dos resíduos orgânicos. Após realizar diversas pesquisas para escolha da melhor alternativa, optou-se pela coleta seletiva com aproveitamento energético de fermentação em biodigestores anaeróbios, para produção de biogás a ser utilizado na geração de energia elétrica. Um grande benefício para meio ambiente, gerando economia para o município.

Quais são os benefícios da Usina para o Município e para a População?

Além, é claro, dos ganhos ambientais da destinação dos resíduos orgânicos para aproveitamento energético, a Usina Termoelétrica a Biogás trouxe outros ganhos para o município, como a diminuição nos custos com a destinação destes resíduos orgânicos no aterro sanitário e a redução nas contas de energia elétrica dos prédios públicos municipais.

Além disso, a coleta seletiva dos resíduos orgânicos passa a ser realizada com um caminhão 100% elétrico, o primeiro e único veículo deste tipo na região sul do país. O caminhão, com capacidade para transportar até 7 toneladas de resíduos por viagem, será abastecido com a energia elétrica produzida pela própria Usina, ou seja, em um processo autossustentável.

A UTB iniciará com uma capacidade instalada de processamento de até 12 toneladas de resíduos orgânicos por dia, podendo receber até 30 t/dia. A potência instalada de 520KW, com produção contínua, produzirá energia elétrica suficiente para abastecer o equivalente a 2400 residências. Com a energia elétrica exportada pela UTB será possível abastecer o Hospital Municipal (Pronto Socorro), o Hospital da Criança, uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA Santana) e o prédio sede da administração pública (paço municipal).

Por fim, ao término do período de contrato da PGA com o Município, a Usina Termoelétrica a Biogás será revertida para o patrimônio da prefeitura, 100% funcionando e operando.

Como funcionará a Usina?

O caminhão elétrico fará a coleta diária dos resíduos orgânicos (resto de alimentos, hortifrútis, sementes, óleo de cozinha usado, etc.) e transportará até a UTB. Na Usina, o veículo poderá ser descarregado em dois pontos: moega de resíduo limpo (sem contaminantes), ou ser submetido a uma moderna e automatizada linha de segregação, com rasga sacos e peneira rotativa, visando retirar eventuais contaminantes (plástico, vidro e metais) misturados com os orgânicos.

O resíduo então é direcionado para um pré-tanque, onde é analisado e, estando em condições adequadas, é direcionado para os biodigestores. Na UTB foi implantando um dos mais modernos laboratórios de análise de biogás do país, destinado a realizar as análises dos resíduos, o monitoramento dos processos e pesquisas na área.

A UTB conta com 2 biodigestores, sendo que há espaço reservado para ampliação futura com outros 2 biodigestores, passando a capacidade total de recebimento de 30 t/dia para 60 t/dia, e dobrando a capacidade de produção de energia elétrica.

No interior dos biodigestores, bactérias realizam a digestão da matéria orgânica através de um processo anaeróbico (sem a presença de oxigênio), e nesse processo produzem o biogás – um gás composto por grande quantidade de metano, material altamente combustível.

O gás é então direcionado para os motogeradores, onde é queimado, e com isso, produz-se energia elétrica, a qual é transferida diretamente para a rede da Copel.

Marcus Vinícius Nadal Borsato, presidente da Ponta Grossa Ambiental, ressalta que a Usina Termoelétrica a Biogás é um enorme avanço para a cidade: “A Usina tem grande capacidade de tornar Ponta Grossa referência em tecnologia e sustentabilidade – além do atendimento integral da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)”.

Notícias Relacionadas »