23/02/2021 às 15h29min - Atualizada em 23/02/2021 às 15h29min

Vacina da Pfizer contra a COVID-19 poderá ser vendida por clínicas particulares

Autorização definitiva da Anvisa libera a comercialização da fórmula entre a farmacêutica e o setor privado pelo prazo de dez anos

Da redação
Foto: Agência Brasil
O registro definitivo às vacinas contra COVID-19 concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dá a chance de compra e importação dos imunizantes pelo setor privado, informa matéria do portal Metrópoles.

Nesta terça-feira (23), a Anvisa concedeu o primeiro registro dessa categoria para vacinas contra COVID-19 no país, para a Comirnaty (BNT162b2), imunizante das empresas Pfizer e a Biontech. O registro estabelece o uso da vacina na população a partir dos 16 anos de idade, com esquema de duas doses com intervalo de 21 dias entre elas.

Diferentemente do registro de uso emergencial, que permite que as doses adquiridas pelo Brasil sejam usadas apenas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto durar a pandemia, a autorização definitiva libera a comercialização da fórmula entre a farmacêutica e o setor privado do país pelo prazo de dez anos.

Em nota divulgada nesta terça, a diretora da Anvisa, Meiruze Freitas, disse que “o registro abre caminho para a introdução no mercado de uma vacina com todas as salvaguardas, controles e obrigações resultantes dessa concessão”.

Nos estudos clínicos de fase 3, com 44 mil participantes nos Estados Unidos, Alemanha, Turquia, África do Sul, Brasil e Argentina, a vacina Pfizer/BioNTech apresentou eficácia global de 95% contra a Covid-19. A pesquisa incluiu a análise de diferentes grupos étnicos e pacientes com condições clínicas de risco. Entre os idosos com mais de 65 anos, a eficácia foi de 94%.

Notícias Relacionadas »