25/05/2021 às 14h27min - Atualizada em 25/05/2021 às 14h27min

Aliel traz números sobre infecções entre funcionários da VCG e pede prioridade na vacinação

Em vídeo, deputado também fala sobre o retorno das aulas presenciais no município, classificado por ele como um “absurdo”

Da redação
Foto: Reprodução
O deputado federal Aliel Machado (PSB) informou nesta segunda-feira (24), por meio de suas redes sociais, que protocolou um requerimento junto ao Ministério da Saúde para que os funcionários da Viação Campos Gerais (VCG) tenham prioridade na vacinação contra a COVID-19. 

De acordo com números oficiais trazidos pelo parlamentar, o transporte coletivo de Ponta Grossa já contabiliza 129 casos confirmados e três mortes pela doença desde o início da pandemia. Na visão dele, a imunização da categoria seria uma proteção não só aos funcionários e às suas famílias, mas à sociedade em geral.

“Eu sou contra a atuação política para priorizar categorias, porque isso deve ser um critério técnico, mas o caso do transporte público, que é um serviço de atendimento à comunidade, traz um alto grau de exposição, pois tem o contato com as pessoas, o manuseio do dinheiro, ainda mais com os ônibus lotados, com a falta de fiscalização. A exposição é muito grande”, argumenta.

No vídeo gravado nas dependências do Colégio Estadual Presidente Kennedy, em companhia dos funcionários da VCG Maria Estela e Jonathan Michel, o “Fuep”, Aliel aproveitou para falar sobre o retorno das aulas presenciais no município, classificado por ele como um “absurdo”.

“A situação ainda é muito grave. É um absurdo ter o retorno das aulas presenciais nesse momento, colocando toda a sociedade em risco, não apenas os professores e alunos, mas toda a sociedade, pois são mais pessoas dentro dos ônibus, circulando, transmitindo o vírus”, afirma.

O deputado observa que as novas variantes do Coronavírus são mais agressivas com os jovens e que “milhares” de pessoas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são jovens sem comorbidades.

“É preciso ter cuidado com a vida e parar de ser irresponsável. A educação não é mercadoria. É preciso entender a excepcionalidade do momento e dar a devida atenção aos professores e alunos”, aponta. 

Confira, a seguir, o vídeo completo: 



Notícias Relacionadas »