26/05/2021 às 09h59min - Atualizada em 26/05/2021 às 09h59min

VÍDEO: ​Médico de PG é acusado de vender atestado para vacinação da COVID-19

Denunciante já teria levado o caso ao Ministério Público do Paraná (MP-PR) para que seja investigado

Da redação
Foto: Reprodução
Um médico está sendo acusado de vender atestados para pessoas saudáveis furarem a fila da vacinação da COVID-19 em Ponta Grossa. Em vídeo divulgado nas redes sociais e aplicativos de mensagens na noite desta terça-feira (25), um rapaz de nome Murilo Antônio afirma que ele próprio conseguiu comprar o documento na clínica do profissional. Segundo pessoas próximas, o denunciante já levou o assunto ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), junto às provas, para que seja investigado. Ainda nesta quarta-feira, ele deve comparecer na Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) para observar a repercussão do caso. 

De acordo com o que é relatado no vídeo, o rapaz tomou conhecimento do suposto esquema depois que uma conhecida precisou de um atestado atualizado para se vacinar contra a doença. “Essa pessoa realmente tem asma, tem problema de saúde, e foi impedida de agendar a vacina porque falaram que o atestado dela estava desatualizado e que ela precisava de um atestado atualizado. Indicaram um médico para ela. Ela entrou em contato com a clínica desse médico, e eles falaram que o atestado teria um custo de R$ 150”, explica.

Querendo conferir o caso com os “próprios olhos”, o rapaz afirma que entrou em contato com a clínica do médico por meio do aplicativo WhatsApp e foi informado que, para receber o atestado, teria que transferir via Pix o valor cobrado. “Eu mandei o dinheiro, e eles me mandaram o atestado. Eu tenho 25 anos, tenho coração perfeito, tenho pulmões perfeitos, a minha saúde está perfeita, e hoje eu consegui comprar um atestado médico que me permite tomar a vacina do Coronavírus amanhã, se eu quiser. É difícil de acreditar, mas, pasmem, é verdade”, afirma.

Embora afirme ter "provas explícitas" para fundamentar as acusações, Murilo não revela a identidade do tal médico. Afirma apenas que ele “obteve a confiança da população para estar onde está”. “Eu não vou expor o nome agora, porque há todo um trâmite legal para fazer isso, mas tudo isso virá à tona. O meu objetivo aqui é simplesmente abrir os olhos de todos sobre o que está acontecendo em nossa cidade”, aponta. “Essa vacina que eu poderia tomar amanhã poderia ir para a sua tia, a sua mãe, mas, não, tem alguém furando fila, tem alguém roubando, e talvez essa pessoa que deveria tomar a vacina seja mais uma nos leitos de UTI [Unidade de Terapia Intensiva], mais uma no SUS [Sistema Único de Saúde], e isso não pode mais acontecer”, acrescenta. 

Confira, a seguir, o vídeo na íntegra:



Notícias Relacionadas »