12/06/2021 às 16h33min - Atualizada em 12/06/2021 às 16h33min

​VÍDEO: Situação de abandono preocupa pacientes da UPA Santa Paula pela 2ª vez

Em "estado crítico", paciente afirma que a unidade não recebe visita de médicos desde a última quinta-feira (10)

Da redação
Foto: Divulgação
A parente de uma pessoa que está internada na ala COVID-19 da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santa Paula procurou a redação do portal ‘NCG’, no início da tarde deste sábado (12), para denunciar uma possível situação de abandono no local.

De acordo com a parente, que prefere se manter anônima, a unidade do Santa Paula está sem receber a visita de um médico desde a última quinta-feira (10). Além disso, a fonte informa que os pacientes da ala estão sentados em cadeiras, passando frio. 

Como se não bastasse, a denunciante afirma que recebeu uma ligação da UPA, por volta das 15h30 de hoje, comunicando-lhe que a sua cunhada encontra-se em "estado crítico" e que terá de ser transferida para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com urgência. 

"Ligaram para a minha casa e disseram que a situação dela é crítica e que ela precisa de uma vaga de UTI urgente, senão nós vamos perdê-la. Ela tem filhos e netos. Tem uma vida inteira pela frente. Não pode sair de lá intubada", defende. 
 
"A saturação dela diminuiu hoje. Ela está com dor. Já faz três dias que ela está naquela situação na UPA. A situação está muito difícil para ela, e tem muito mais gente na mesma situação. Ela está sem força até para segurar o celular. Não consegue falar, está sem ar", aponta. 

Sem citar nomes, a mulher afirma que procurou um vereador e que também procurou o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Rodrigo Manjabosco, para cobrar providências. De acordo com ela, Manjabosco teria se limitado a dizer que a situação está difícil e que vai "piorar". 

"E ainda jogam a culpa no povo que se aglomerou. Agora, a falta de atendimento que está lá, esse absurdo, não é culpa do povo nem de aglomeração. É culpa da falta de estrutura. É inconcebível ela [a parente] ter de passar mais uma noite na UPA do jeito que ela está", defende.

Assista às imagens gravadas pela paciente por volta das 15h de hoje: 




Grande demanda 

A respeito do caso, a Prefeitura de Ponta Grossa, através da FMS, informa em nota que "tem trabalhado em diversas frentes na tentativa de suprir a demanda de pacientes que buscam os estabelecimentos de saúde do município". Esses esforços, segundo a pasta, incluem o recebimento, acolhimento e imediata inclusão dos pacientes, quando necessário, na fila da Central de Leitos do Paraná. 

De acordo com a FMS, nos últimos dias, 25 pacientes foram encaminhados para leitos hospitalares e de UTI. "No entanto, a grande demanda não só da cidade, mas da região e de todo o estado, tem dificultado os procedimentos e estendido a espera de alguns pacientes", afirma o comunicado. 

Diante desse cenário, a Prefeitura esclarece que "não tem medido esforços para dar a esses cidadãos o melhor atendimento possível" e que "segue no trabalho constante para que todos tenham à disposição leitos clínicos e de UTI o mais rápido possível".


Segunda vez

Essa não foi a primeira vez que um paciente denunciou uma possível situação de abandono na UPA Santa Paula. No sábado passado (5), um vídeo gravado pelo motorista da Viação Campos Gerais (VCG) Candido Rosa já exibia um cenário de superlotação e falta de atendimento na ala COVID da unidade. 

Segundo o motorista, 14 pessoas estavam sentadas em cadeiras e sendo atendidas por apenas uma enfermeira, situação semelhante à relatada neste sábado pela parente da mulher internada. Em áudio encaminhado ao portal 'NCG', Rosa, já com o fôlego curto por conta da doença, afirmava que estava "tudo abandonado" no local.

"É um absurdo isso. Um sofrimento só. Está tudo abandonado aqui. Todo mundo sofrendo – os doentes, os funcionários da UPA. Está horrível. Eu estou há três dias aqui. Nem banho eu tomei, porque não tem condições de tomar banho aqui dentro", relatou na ocasião.

Na última quinta-feira (10), o motorista veio a morrer, aos 57 anos, por uma parada cardíaca decorrente de uma infecção generalizada. Segundo familiares, Rosa ficou quatro dias internado na UPA Santa Paula, onde teria contraído sepse, e seis dias no Hospital Universitário (HU), para onde teria sido transferido com o objetivo de se tratar da infecção causada pela bactéria. 

Confira o vídeo gravado pelo motorista na ocasião:



Notícias Relacionadas »