28/06/2021 às 07h57min - Atualizada em 28/06/2021 às 07h57min

Durski rebate especulações sobre fechamento do Grupo Madero: "Imprensa vermelha"

Dois dias antes, o grupo havia anunciado, através de nota, que tinha dúvidas sobre a continuidade das operações

Por 'Folha de São Paulo'
Foto: Reprodução
O proprietário do Grupo Madero, Junior Durski, afirmou neste sábado (26) que a companhia está com caixa robusto e que segue com os seus planos de expansão e contratação de pessoas, informa a 'Folha de São Paulo'. A afirmação foi publicada no Instagram de Durski, junto a um vídeo publicitário do Jerônimo, um dos restaurantes do grupo.

“Referente a matérias publicada na imprensa vermelha e tendenciosa ontem, tenho a dizer que o Grupo Madero está muito bem, temos um caixa muito robusto, seguimos firmes com a nossa expansão, contratando pessoas, pagando imposto e ajudando o Brasil”, escreveu no empresário.

Desde o ano passado, a empresa vem estudando abrir capital na Bolsa de Valores brasileira ou em Nova York.

Continuidade 

A publicação veio dois dias depois de o Grupo Madero anunciar, em seu balanço de resultados referentes ao primeiro trimestre, que têm dúvidas sobre a continuidade de suas operações. A dúvida viria pelo caixa insuficiente para pagar dívidas de curto prazo e pela falta de garantias de que conseguirá prorrogar ou refinanciar seus compromissos.

“A liquidez disponível, mais o caixa adicional esperado, gerado pelas operações, não será suficiente para pagar o total das obrigações de dívida de curto prazo antes ou na data de vencimento sem financiamento adicional”, afirmou o Grupo Madero em nota.

“A companhia pretende buscar prorrogar ou refinanciar a dívida e continuará discutindo com os bancos parceiros a possibilidade de obtenção de novas linhas de crédito quando necessário para dar suporte à operação”, disse o grupo. O Madero reiterou, porém, que não há garantias de que a empresa conseguirá adiar ou refinanciar esses débitos em tempo ou em condições favoráveis.

No total, o Grupo Madero somava R$ 2,4 bilhões em dívidas com bancos, fornecedores, tributos, entre outros. Deste montante, mais de 30% dos compromissos (R$ 740,4 milhões) venciam em até um ano. Outros 19,2% tinham prazo de um a dois anos.

A maior parte da dívida era constituída de empréstimos (R$ 1,2 bilhão).

No primeiro trimestre deste ano o grupo registrou um prejuízo de R$ 67,5 milhões, três vezes maior do que o registrado em igual período de 2020, quando teve prejuízo de R$ 18,7 milhões.

Notícias Relacionadas »