07/07/2021 às 14h22min - Atualizada em 07/07/2021 às 14h22min

VÍDEO: Em PG, mulher que estava grávida conhece a filha 70 dias após vencer a COVID-19

Ajudante de cozinha ficou entre a vida e a morte nos primeiros meses de vida da filha

Da redação
Foto: Reprodução
Moradora do residencial Gralha Azul, em Ponta Grossa, Camila de Quadros demorou 70 dias para conhecer a própria filha, a pequena Vitória Maria Hanyfy. Em abril deste ano, Camila, que estava grávida, começou a sentir os primeiros sintomas da COVID-19. Como o quadro da moça de 27 anos se agravara, ela foi internada às pressas no sétimo mês de gestação. Para garantir que o bebê não perdesse a vida, o parto da mãe foi antecipado, tendo sido realizado no dia 13 do mesmo mês. 

Recém-saída do ventre da mãe, Maria Vitória veio ao mundo com dificuldades. Prematura, a recém-nascida precisou passar por uma transfusão de sangue para debelar um quadro de anemia. Mais de um mês depois, no dia 20 de maio, a pequena recebeu alta hospitalar. Um momento que a mãe não pôde vivenciar, já que estava sedada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário (HU), lutando pela vida. 

Após ficar intubada por dois meses, Camila permaneceu mais um mês em observação clínica. Nesse período, chegou a ver a filha através de uma chamada de vídeo, mas foi somente no dia 22 de junho último, ou seja, 70 dias depois, que teve a alegria de conhecer Maria Vitória em carne e osso. O encontro entre as duas, no entanto, foi delicado, pois Camila ainda não consegue movimentar as mãos e as pernas com firmeza, sequela temporária muito comum entre pacientes recuperados da COVID-19. 

Veja a seguir o comovente encontro de Camila com a filha (se preferir, vire o celular na horizontal para uma melhor visualização): 



Notícias Relacionadas »