17/07/2021 às 13h14min - Atualizada em 17/07/2021 às 13h14min

Testemunhas falam sobre supostas agressões cometidas por vereador de PG

Depoimentos já foram relatados à autoridade policial encarregada do caso

Da redação
Foto: Divulgação / Reprodução
Duas testemunhas que supostamente estiveram presentes no local e na hora dos acontecimentos envolvendo o vereador Izaias Salustiano (PSB), preso na madrugada desta sexta-feira (16) sob suspeita de violência doméstica contra a ex-mulher, entraram em contato com o portal NCG, na manhã deste sábado (17), para dar a sua versão dos fatos. 

Uma das testemunhas é Priscila de Jesus, mãe de uma das filhas de Salustiano, aqui representada pela advogada Elaine Tramontim. Elaine explica que, na noite da última quinta-feira (15), a sua cliente estaria em uma chácara na região do Kalinoski, na presença de Salustiano e de mais duas pessoas, quando teria entrado, por volta das 22h, a ex-mulher do vereador, Mirielle Costa, acompanhada de uma amiga. 

Segundo a advogada, Mirielle teria entrado de forma "completamente violenta" no local, atacando fisicamente, de forma brutal, Priscila. "Assim, tentando defender-se das agressões sofridas, a minha cliente acabou por agredir a parte frontal da boca de Mirielle. Nesse ínterim, na tentativa de acabar com as agressões, o vereador tentou impedir a situação ocorrida entre as mulheres", relata. "Jamais houve agressão física por parte do vereador Izaias em qualquer uma das pessoas ali presentes", acrescenta.

A segunda testemunha é Caroline Pedrozo, assessora de marketing do vereador do PSB. Caroline faz um relato quase idêntico ao de Elaine (leia ambos abaixo), mas acrescenta que ela própria teria sido ameaçada de morte pela amiga de Mirielle e que teria precisado se esconder em um banheiro para não ser agredida. 

De acordo com Caroline, ela e o vereador teriam passado a tarde de quinta-feira em trabalho nos bairros. No final do expediente, eles teriam ido à chácara de um amigo do parlamentar, onde estariam jantando, quando Mirielle teria chegado acompanhada de uma amiga.

"As duas chegaram agredindo a Priscila, quebrando tudo, e até eu mesma fui ameaçada de morte pela mulher que acompanhava a ex-mulher do vereador. Precisei me esconder dentro do banheiro para não ser agredida. Deixo claro que em nenhum momento eu presenciei agressão da parte do vereador", afirma. 

Segundo Caroline e Elaine, ambos os depoimentos já foram relatados à autoridade policial encarregada do caso.

Procurada pela redação do portal NCG ao longo deste sábado, Mirielle afirmou que estava envolvida com uma consulta médica e que não poderia, neste momento, dar a sua versão dos fatos, mas informou que vai divulgar uma nota oficial ainda este sábado. Assim que a nota for divulgada, será devidamente reproduzida neste veículo. 

Confira o relato das testemunhas na íntegra

"Na data de ontem [quinta-feira, 15], estavam reunidos na chácara após um dia de trabalho externo, na presença de alguns amigos, sendo um deles o vereador Izaias Salustiano e a sua assessoria de imprensa. Ocorre que, por volta das 22h, adentrou de forma completamente violenta no recinto as pessoas de Miriele e Gisele, atacando fisicamente e brutalmente a minha cliente [Priscila de Jesus] de forma completamente traiçoeira. Assim, tentando defender-se das agressões sofridas por Miriele e Gisele, a minha cliente acabou por agredir na parte frontal da boca de Miriele. Nesse ínterim, na tentativa de acabar com as agressões, o vereador tentou impedir a situação ocorrida entre as mulheres. Jamais houve agressão física por parte do vereador Izaias em qualquer uma das pessoas ali presentes" (Elaine Tramontim, advogada de Priscila de Jesus)

"Sou assessora de marketing do vereador Izaias Salustiano e, na data de ontem [15], passei a tarde com o vereador em trabalho nos bairros. No final da tarde, fomos para chácara de um amigo do vereador, onde estávamos jantando, quando a ex mulher do vereador chegou acompanhada de mais uma mulher. As duas chegaram agredindo a Priscila, quebrando tudo, e até eu mesma fui ameaçada de morte pela mulher que estava acompanhada da ex-mulher do vereador. Precisei me esconder dentro do banheiro para não ser agredida. Deixo claro que, em nenhum momento, eu presenciei agressão da parte do vereador" (Caroline Pedrozo, assessora de marketing do vereador Izaias Salustiano)

O caso 

O vereador Izaias Salustiano (PSB) foi preso, na madrugada desta sexta-feira (16), sob acusação de violência doméstica contra a ex-mulher, Mirielle Costa. O parlamentar foi preso em flagrante e liberado sob pagamento de fiança no valor R$ 4,4 mil. 

Durante o episódio, ocorrido na madrugada de quinta (15) para sexta-feira, Salustiano estaria em uma chácara na região do Kalinoski, onde teria sido flagrado pela ex-esposa na companhia de outra mulher. Na confusão, o vereador, segundo informações publicadas por veículos locais, teria agredido física e verbalmente a ex-companheira. 

Segundo o delegado da Polícia Civil, Fernando Jasinski, a vítima teria sofrido lesões leves na região da boca. "Diante desse contexto, em que se aplica a Lei Maria da Penha, ele foi preso e na sequência arbitrado fiança. O valor foi pago e agora ele deverá responder em liberdade", explica.

Versão do vereador 

Em nota divulgada à imprensa, Salustiano afirma que estaria separado da ex-mulher desde 2020, "de fato e de direito". No entanto, segundo ele, a separação não teria sido encarada por Mirielle de forma saudável e natural. "Sei que ela tem tido muita dificuldade de encarar a situação da separação, em especial, porque temos três filhos juntos", afirma. 

O parlamentar aponta que, na noite de quinta-feira, estava em uma chácara na região do Kalinoski, na companhia de três pessoas. Uma delas, o proprietário do imóvel. De acordo com ele, os presentes estavam fora da casa, ao redor da churrasqueira, conversando e se alimentando.

"Por volta das 23h, fomos surpreendidos com a presença da minha ex-esposa, que havia adentrado a chácara sem autorização. De posse de um porrete de madeira, bastante alterada e nervosa, ela passou a danificar o meu veículo e a agredir as pessoas que estavam comigo", explica. 

Salustiano afirma que, em toda a situação, para evitar danos físicos maiores, teria procurado contê-la durante as supostas agressões. "Por isso, estou ferido nos braços e na barriga. Quando retornei à minha casa, encontrei a polícia na frente da minha porta. Infelizmente, a minha ex-esposa já tinha contado a sua versão dos fatos", relata. 

Logo após, o vereador explica que teve de comparecer perante a autoridade policial para esclarecer os fatos, quando foi lavrado Boletim de Ocorrência. "Na delegacia, prestei todos os esclarecimentos necessários e mostrei as minhas lesões, quando a autoridade policial agendou exame de corpo de delito e perícia no veículo, que será providenciada no decorrer do dia", observa. 

Segundo o parlamentar, todas as atitudes e ações da ex-esposa, "motivadas por sentimentos negativos, como raiva, ódio e rancor", estão devidamente registradas em vídeo.

"Por fim, esclareço que não tenho nenhum histórico de agressão contra a mulher e jamais imaginaria passar por uma situação como essas. Em toda a minha vida profissional ou política, eu jamais fui agressivo com qualquer pessoa que seja, homem ou mulher", conclui. 

Confira a nota na íntegra

Desde 2020, sou separado de fato e de direito. Lamentavelmente, a separação não tem sido encarada pela minha ex-esposa de forma saudável e natural, o que infelizmente é normal em muitos relacionamentos. Sei que ela tem tido muita dificuldade de encarar a situação da separação, em especial, porque temos 3 filhos juntos.

Durante a noite desta quinta-feira (15), eu estava numa chácara na região do Kalinoski, na companhia de três pessoas. Uma delas, o proprietário do imóvel. Estávamos fora da casa, ao redor da churrasqueira, conversando e se alimentando.

Por volta das 23 horas fomos surpreendidos com a presença da minha ex-esposa que havia adentrado a chácara, sem autorização. De posse de um porrete de madeira, bastante alterada e nervosa, ela passou a danificar meu veículo e agredir as pessoas que comigo estavam.
 
Durante toda a situação, para evitar danos físicos maiores, procurei conte-la durante suas agressões. Por isso, estou ferido nos braços e na barriga.

Quando retornei a minha casa, encontrei a polícia na frente da minha porta. Infelizmente, minha ex-esposa já tinha contado a sua versão dos fatos.

Logo após, tive de comparecer perante a Autoridade Policial para esclarecer os todos os fatos, quando foi lavrado Boletim de Ocorrência.

Na delegacia, prestei todos os esclarecimentos necessários e mostrei minhas lesões, quando a autoridade policial agendou exame de corpo de delito, e perícia no veículo, que será providenciada no decorrer do dia.

Todas as atitudes e ações de minha ex-esposa, motivadas por sentimentos negativos, como raiva, ódio e rancor, estão devidamente registradas em vídeo.

Por fim, esclareço que não tenho nenhum histórico de agressão contra a mulher e jamais imaginaria passar por uma situação como essas. Em toda a minha vida profissional ou política jamais fui agressivo com qualquer pessoa que seja, homem ou mulher.

Notícias Relacionadas »