24/07/2021 às 17h00min - Atualizada em 24/07/2021 às 17h02min

Olimpíadas: conheça a história, os símbolos e a importância dos jogos

Como surgiu, qual o objetivo e quais esportes participam: veja as respostas para algumas das dúvidas mais pesquisadas por brasileiros no Google sobre a competição

Por 'Galileu'
Foto: Breno Barros/rededoesporte.gov.br
Durante as próximas duas semanas, os Jogos Olímpicos prometem ser um dos assuntos mais comentados ao redor do mundo. Aqui no Brasil, a curiosidade aumentou há pelo menos 14 dias e, de acordo com dados do Google Trends, os internautas têm várias dúvidas sobre as origens, os objetivos e os símbolos da competição. Confira abaixo as respostas para as oito perguntas sobre Olimpíadas mais buscadas pelos brasileiros no Google, segundo a 'Galileu'. 

1. O que são os Jogos Olímpicos?

As Olimpíadas são o maior evento esportivo do mundo, em que atletas de mais de 200 países participam de disputas em diferentes modalidades. Elas acontecem de quatro em quatro anos e são divididas entre Jogos Olímpicos de Verão e Jogos Olímpicos de Inverno (que ocorrem com dois anos de diferença entre si). Há ainda os Jogos Paralímpicos, também separados entre de verão e de inverno, destinados a atletas com deficiências.

2. Qual o objetivo dos Jogos Olímpicos?

Os Jogos Olímpicos foram criados com o objetivo de utilizar o esporte como instrumento para a promoção da paz, da união e do respeito. Entre os intuitos principais está a contribuição para um mundo melhor e a garantia de que a prática de esportes é um direito de todos os seres humanos.

“O propósito do Olimpismo é colocar o esporte a serviço do desenvolvimento harmonioso da humanidade, promovendo uma sociedade pacífica e preocupada com a preservação da dignidade humana”, afirma o Estatuto Olímpico.

3. Onde surgiram os Jogos Olímpicos?

Os primeiros Jogos Olímpicos da Antiguidade aconteceram em Olímpia, na Grécia, no ano de 776 a.C. Na época, o evento tinha o objetivo de cultuar os deuses do Olimpo por meio da valorização das aptidões de cada atleta. Tamanha era a importância da competição que os helenos obedeciam ao armistício sagrado: no período olímpico, eles abandonavam suas disputas e se dedicavam a atividades pacíficas.

Durante as Olimpíadas, os cidadãos competiam entre si para ver quem melhor demonstrava seu respeito às divindades. E, como a vitória olímpica consagrava o atleta e representava glória para o seu local de origem, as cidades-estado buscavam incentivar a prática esportiva instituindo leis e regulamentos.

Até 728 a.C., um tipo de corrida chamado “stadión” (equivalente às atuais provas de atletismo de 200 metros rasos) era a única competição realizada. Ao longo do tempo, o evento, que inicialmente durava somente um dia, passou a durar cinco dias graças às novas modalidades agregadas. Em 394 d.C., os Jogos Olímpicos foram banidos pelo imperador romano Teodósio, que se converteu ao cristianismo e proibiu a realização de festas pagãs.

4. Quem inventou os Jogos Olímpicos da Era Moderna?

O título de idealizador dos Jogos Olímpicos Modernos é atribuído ao francês Pierre de Coubertin, que era apaixonado por esporte e o enxergava como um elemento central para a educação. Conhecido como Barão de Coubertin, ele era secretário geral da União das Sociedades Esportivas e Atlética Francesa (USFSA) e tinha o objetivo de fazer com que o esporte unisse a juventude do mundo e atuasse como um agente de paz.

Inspirado pelo legado histórico da Grécia e por escavações arqueológicas que aconteceram em Olímpia entre 1875 e 1881, Coubertin fundou o Comitê Olímpico Internacional (COI) em 23 de junho de 1894, com um plano de desenvolvimento que culminou na realização dos primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna.

5. Quando aconteceu a primeira Olimpíada?

Os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna aconteceram em 1896, em Atenas, na Grécia. Com participação de 14 países, o evento contabilizou 241 atletas (sendo todos homens, porque as mulheres eram proibidas de competir) que disputaram as seguintes modalidades: atletismo, ciclismo, esgrima, ginástica, halterofilismo, luta, natação e tênis.

Na época, nenhum dos vencedores recebeu medalhas de ouro como manda a tradição atual. Os campeões foram premiados com medalhas de prata e ramos de oliveira, enquanto os segundos colocados receberam medalhas de cobre e ramos de louro. As medalhas de ouro, prata e bronze para os três primeiros vencedores de cada prova passaram a existir a partir de 1904, quando as Olimpíadas ocorreram em St Louis, nos Estados Unidos.

6. Quais são os símbolos olímpicos?

Um dos mais famosos símbolos das Olimpíadas são os aros olímpicos, concebidos por Pierre de Coubertin em 1914. Representando a união dos cinco continentes, eles aparecem interligados sobre um fundo branco na bandeira olímpica. As cores azul, amarelo, preto, verde e vermelho foram escolhidas por serem comuns às bandeiras dos países membros do Comitê Olímpico Internacional. Além de serem a principal representação gráfica da competição, os aros olímpicos são a marca do COI.

Outro ícone dos Jogos Olímpicos é a Tocha Olímpica, que sai da Grécia e é transportada por atletas e outros cidadãos até o local da cerimônia de abertura. A chama da tocha anuncia a celebração das Olimpíadas, representa paz e amizade e é utilizada para acender a Pira Olímpica (que só se apaga no final da cerimônia de encerramento). A primeira edição que contou com esse ritual foi a de 1936, em Berlim, na Alemanha. A cada ano, a Tocha Olímpica ganha novos desenhos e diferentes formas, uma vez que o seu design fica a cargo do país-sede.

Também bastante conhecidos pelo público, os mascotes oficiais são considerados símbolos olímpicos. A ideia foi inaugurada nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, na Rússia, com o cachorro Waldi, da raça Dachshund. De lá para cá, as mascotes viraram sinônimo de alegria e amizade, além de carregarem elementos característicos do país ou da cidade-sede.

7. O que faz um esporte ser olímpico?

De acordo com o estatuto do COI, uma das principais regras para que um esporte seja considerado olímpico é a popularidade, ou seja, ele precisa ser amplamente praticado por homens em pelo menos 75 países e em quatro continentes e por mulheres no mínimo em 40 países e em três continentes. Além disso, a categoria deve acrescentar valor e apelo às Olimpíadas, além de refletir suas tradições modernas. Nos últimos anos, o Comitê Olímpico Internacional tem permitido a entrada de novos esportes apenas com a exclusão de outros. Por isso, há uma revisão periódica das competições que participam do evento.

As modalidades que estreiam na edição de 2021 são beisebol, softbol, karatê, escalada, skate e surfe. Elas se juntam às velhas conhecidas do público: atletismo, badminton, basquete, basquete 3x3, boxe, canoagem, ciclismo, esgrima, futebol, ginástica artística, ginástica de trampolim, ginástica rítmica, golfe, handebol, hipismo, hóquei sobre a grama, judô, levantamento de peso, luta olímpica (wrestling), maratona aquática, nado artístico, natação, pentatlo moderno, polo aquático, remo, rúgbi, saltos ornamentais, taekwondo, tênis, tênis de mesa, tiro esportivo, tiro com arco, triatlo, vela, vôlei e vôlei de praia.

8. Qual a importância dos Jogos Olímpicos?

As Olimpíadas trazem grandes vantagens para a humanidade, conforme defende Bruce Kidd, professor da Universidade de Toronto e membro honorário do Comitê Olímpico Canadense. Em artigo publicado no site The Conversation, ele afirma que, em um mundo onde cada vez mais os esportes pertencem à esfera privada, os Jogos Olímpicos representam uma grande acessibilidade para o público.

Além disso, é por meio da visibilidade olímpica que os atletas são capazes de atrair apoio e investidores, e, por causa do grande porte da competição, os governos se sentem estimulados a destinar recursos financeiros aos esportes. Kidd destaca também que as Olimpíadas encorajam o intercâmbio educacional e humanitário entre países e têm o papel de incentivar a união entre as pessoas.

Notícias Relacionadas »