03/08/2021 às 20h56min - Atualizada em 03/08/2021 às 20h56min

Advogado de PG que tenta ser reconhecido como "Superman" é citado na CPI da COVID

História foi trazida pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN) durante a sessão desta terça-feira (3)

Por 'Congresso em Foco'
Foto: Reprodução
Durante a sessão desta terça-feira (3) da 'CPI da Covid', os senadores questionaram as ligações do reverendo Amilton Gomes de Paula com negociadores de vacina, parlamentares e membros do Ministério da Saúde. Mas também questionaram a ligação do reverendo com o advogado ponta-grossense Aldebaran von Holleben, que alega, há pelo menos 36 anos, ter obtido o título de "Superman".

Segundo o 'Congresso em Foco', a história foi trazida pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN), ao inquirir o reverendo a respeito da ligação da sua organização, a Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (SENAH), com outras organizações que estariam utilizando o logo da Organização das Nações Unidas (ONU). Entre elas, estaria a United Nations Mission of International Relations (UNMIR), presidida por von Holleben. 

Prates seguiu na inquirição e questionou se o reverendo considera o presidente da entidade privada "uma pessoa mentalmente sadia e sã". E rememorou o fato de que Aldebaran luta, na Justiça brasileira, para ser reconhecido como o "Superman". “Parece brincadeira, mas esse cara diz ser o Superman brasileiro”, disse o petista durante a fala. 

Os fatos são contados em um processo que tramita na Justiça do Paraná. Aldebaran afirma que, em 1978, adquiriu um uniforme do Clube de Regatas do Flamengo e um tênis do Superman, ocasião em que realizou duas fotografias. A “primeira no cavalo do carrossel com o tênis do Superman ao lado da caveira”, simbolizando o renascimento.

A segunda foto teria ocorrido na “jaula com os leões”, com a marca do Flamengo em destaque. Quando, em 27 de maio de 1995, o ator Christopher Reeves, que interpretava o super herói, sofreu um acidente que o deixou tetraplégico, Aldebaran passou a argumentar que era o verdadeiro herói no país, e passou a processar a Warner Bros. (que produz o filme) e o Flamengo.

"Defende que é o Super-Homem no Brasil e que, caso a requerida Warner queira colocar outro brasileiro em filme do Superman, irá apresentar embargos, pois adquiriu eventuais direitos com o acidente e morte do ator Christopher Reeve", consta nos autos do processo, julgado em março deste ano. A juíza responsável pelo caso, Erika Watanabe, negou o pedido de reconhecimento do advogado ligado à ONG, acusando-o de tumultuar a Justiça.

A UNMIR, apesar do nome, não está ligada ao corpo internacional de nações. Seu site tem poucas informações, mas alega ser aceita por órgãos tão diversos, tais como a Santa Sé, os Capelães Militares dos Estados Unidos e Associação de Misseis de Defesa Israelenses.

O reverendo disse que a UNMIR, assim como a SENAH, fariam parte de uma rede de ONGs coordenada pela ONU voltadas ao trabalho humanitário - sem no entanto dar detalhes de como se dava esta organização, e se ela teria a autorização da ONU para utilização das suas marcas.

Notícias Relacionadas »