25/08/2021 às 11h13min - Atualizada em 25/08/2021 às 11h13min

Prefeituras dos Campos Gerais suspendem reajustes de servidores

Suspensão pode ser revogada, caso o STF julgue o agravo com parecer favorável aos municípios

Da assessoria
Foto: Divulgação
Sem retorno oficial do Tribunal de Contas do Paraná (TCE), a Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG) decidiu, em assembleia extraordinária dos prefeitos na manhã desta terça-feira (24), que as Prefeituras devem suspender no mês de setembro o reajuste concedido aos servidores municipais. No último dia 9 de agosto, a AMCG oficiou o TCE sobre a questão, já que a maioria de suas Prefeituras havia concedido o reajuste com base na permissão do TCE em 17 de março.

“Como não tivemos resposta do Tribunal, partimos do princípio que o órgão não se manifesta em casos concretos, já que o Supremo Tribunal Federal [STF] cassou a revisão anual da remuneração aos servidores públicos municipais durante estado de calamidade pública em decorrência da COVID-19”, explicou o presidente da AMCG, prefeito de Castro, Moacyr Fadel, que teve algumas conversas informais com conselheiros do TCE antes da reunião.

Conforme os prefeitos, a suspensão pode ser revogada, caso o STF julgue o agravo com parecer favorável aos municípios até o próximo dia 3 de setembro, em resposta a um agravo de declaração do município de Cascavel. “Mas temos que proteger os gestores e também os servidores de uma possível devolução caso não haja essa suspensão”, esclarece o presidente. As demais Prefeituras que já haviam concedido o reajuste seguem o entendimento da Associação.

Da região, somente Ponta Grossa, Jaguariaíva, Sengés e Ivaí não haviam realizado a recomposição. Em Ponta Grossa, o processo de recomposição estava em negociação, já que, inicialmente, a recomposição iria impactar em R$ 32 milhões a folha de pagamento. Com a decisão do STF, o processo foi encerrado temporariamente.

Para o prefeito de Ivaí, Idir Treviso, hoje os municípios devem se proteger da insegurança jurídica e política por conta de decisões de esferas superiores. “Estamos passando por dilemas diários”, avalia. Chefe do Executivo de Palmeira, Sergio Belich destaca que a suspensão não é decisão individual de cada município, e sim coletiva da região para não ir contra a decisão do Supremo Tribunal Federal. 

Notícias Relacionadas »