26/08/2021 às 15h38min - Atualizada em 26/08/2021 às 15h38min

Último integrante de quadrilha que assaltou casa em Castro é preso

Criminosos trancaram mulher grávida banheiro da residência e roubaram diversos objetos

Da assessoria

Na manhã desta quinta-feira (26), após um intenso trabalho de coleta e análise de informações, a equipe do Setor Operacional da Polícia Civil de Castro, sob o comando do delegado Derick Moura Jorge, chegou até o bairro Jardim Alvorada, onde poderia estar o último envolvido no roubo a residência em que umas das vítimas era gestante.

O indivíduo estava foragido desde o dia 12 de agosto, data em que se iniciou a operação policial para cumprimento dos mandados. Durante a abordagem policial, o indivíduo empreendeu fuga invadindo diversas residências, mas a equipe conseguiu localizá-lo. Foi necessário o uso de algemas devido à sua resistência à prisão, bem como para resguardar a integridade do preso e da equipe policial.

Relembre o caso

O crime, ocorrido em 12 de junho deste ano, por volta das 7h30, no bairro Santo Antônio, em Castro, gerou grande repercussão em razão da violência empregada contra uma gestante na abordagem criminosa.

Premeditadamente, três assaltantes aguardaram a saída dos demais moradores da casa para executarem a ação, aproveitando-se das condições puérperas em que se encontrava a vítima para surpreendê-la e invadir o local para roubar.

Após grave ameaça e tortura psicológica, os criminosos trancaram a vítima no banheiro da residência e roubaram do local uma TV 32 polegadas, um videogame, um aparelho de som, um celular e certa quantia em dinheiro.

Prisões 

No mesmo dia da prática delituosa, a equipe apurou a qualificação dos assaltantes, sendo dois homens e uma mulher. Na ocasião, os indivíduos conseguiram empreender fuga. A mulher foi presa na data dos fatos (12), na posse de parte dos objetos roubados, enquanto o líder da associação criminosa foi preso no dia 12 de agosto e o terceiro autor preso na manhã desta quinta-feira.

O crime de roubo com emprego de arma de fogo e concurso de pessoas é considerado hediondo e tem uma pena que pode ultrapassar 20 anos de reclusão.


Notícias Relacionadas »