04/09/2021 às 15h00min - Atualizada em 04/09/2021 às 15h00min

ARTIGO: “Impertinência e morte! ”, o novo grito do 7 de setembro, por Osni Gomes

Os cidadãos que rejeitam Bolsonaro não são necessariamente os lulistas ou petistas, mas aqueles que sentem as agruras de preços estratosféricos e de declarações zombeteiras

Por Osni Gomes
Foto: Divulgação
Eu não gosto do Bolsonaro, não aprovo suas atitudes e discursos, e não vejo ações do governo que me estimulem. E ainda há contra a administração federal uma série de senões que atingem diretamente o nosso bolso, o nosso custo de vida. 

O cidadão brasileiro tem motivos de sobra para contestar o governo de Bolsonaro, mas há uma inversão inexplicável que define o apoio a essa pífia gestão, moldada na aprovação de milicianos, cristãos evangélicos e cidadãos abastados, que pouco se importam com o custo de vida nacional, que despenca assustadoramente.

A esfarrapada ladainha de que "tiramos o PT" e "o Lula é culpado" camufla as verdadeiras intenções de uma cúpula que pretende politizar tudo, mentindo descabidamente e tentando inverter posições.

Os cidadãos que rejeitam Bolsonaro não são necessariamente os lulistas ou petistas, mas aqueles que sentem no próprio bolso as agruras de preços estratosféricos e aumentos que se avolumam, diante de declarações zombeteiras de "não compre feijão, compre fuzil", "qual o problema de a energia ficar um pouco mais cara?", "a gasolina é culpa dos governadores que não abaixam o ICMS", assim como "cloroquina e ivermectina são eficientes no tratamento precoce".
 
Essas são apenas algumas das afirmações jamais aceitas e confirmadas em todo o processo. É um desmentido mentiroso e teimoso que só tumultuou esses tempos, castigando nosso povo impiedosamente. 

Manifestação

Esta manifestação de 7 de setembro só tem uma finalidade: colocar ainda mais dúvida em todo o poder brasileiro, desautorizando Congresso Nacional e Judiciário, adversários da preferência atual de Bolsonaro.

Mas quem nos esclarece sobre este rosário de questionamentos:

- Gasolina a R$7,00;

- Gás de cozinha a R$110,00;

- Dólar a R$ 5,35;

- Carne a R$ 60,00 (kg);

- Óleo a R$10,00;

- 580 mil mortos por COVID-19;

- Mansão de R$ 6 milhões do Flávio;

- Falta de vacinas;

- Corrupção na compra de vacina;

- Aumento da fome e da miséria;

- Aumento dos salários do presidente, do vice e dos generais de pijama, em 69%;

- Destruição da Amazônia;

- R$ 3 bilhões para o Centrão;

- R$ 4 bilhões para o Fundão;

- Ciro Nogueira no governo;

- Fila do osso em Cuiabá;

- Famílias pedindo gordura de boi nos açougues para não morrer de fome;

- Sigilo de 100 anos no caso de corrupção da Covaxin;

- R$ 42 bilhões de lucro da Petrobras no segundo bimestre, retirado das costas dos brasileiros para dar aos acionistas;

- Projeto que retira direitos do jovem aprendiz e comida de trabalhadores;

- Retirada do art. 121 da Constituição Federal, com privatização dos Correios, com perda de R$ 1 bilhão de lucro ao ano;

- 15 milhões de novos desempregados, maior taxa dos últimos anos;

- Inflação batendo mais de dois dígitos;

- Pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH);

- Brasil passando do 79º em 2019 para o 84º lugar entre 189 países em 2021;

- Redução do poder de compra das classes, sendo a mais afetada a trabalhista, chegando em quase 70%, de acordo com o IBGE, em alguns estados;

- Desvalorização da moeda brasileira, que caiu 20,2%, enquanto as divisas dos 16 principais países emergentes subiram 1,2%;

- Em 2021, o real tombou 7,7%, as moedas emergentes recuaram 1,4%;

- Alta de gastos com militares que chega a 4,7% em relação a 2020;

- R$ 1,2 bilhão gastos com alimentação do governo;

- R$ 3,1 bilhões para gastos pessoais dos ministérios, tendo privilégio a mamata;

- R$ 2,4 milhões gastos com férias do presidente Bolsonaro investigado pelo MP e TCU;

- Governo gastou só, em 2021, R$ 32,2 milhões com mídias. Só de janeiro a março 2021, R$ 17,8 milhões. A família Marinho embolsou R$ 9,8 milhões. A família Record, 9,6 milhões, quase empate. SBT R$ 9,09 milhões. Tudo pago pelo Planalto, entre tantas outras situações inexplicáveis até agora.

Por que o governo não aceitou, vetando o projeto que proibia as “fake news” em época eleitoral; por que não se aprovou mais rigor na Lei da Ficha Limpa e por que não se esclarece, com total transparência, questões fundamentais para o bom relacionamento entre os três poderes da República e ficamos nesta peleia infrutífera e nociva para o bom desenvolvimento do país? O 7 de setembro nunca mais será o mesmo do Grito do Ipiranga. Lamentavelmente será lembrado com um adaptado slogan: “Impertinência e morte! ”, nada mais!

OSNI GOMES é jornalista diplomado, ponta-grossense e radicado em Curitiba

Notícias Relacionadas »