09/09/2021 às 06h38min - Atualizada em 09/09/2021 às 06h38min

Cooperativa de Carambeí alcança melhor receita da história no primeiro semestre de 2021

Cooperativa gerou receita líquida de R$ 2,472 bilhões entre janeiro e junho de 2021, registrando aumento de 53,9%

Da assessoria
Foto: Divulgação
A Frísia realizou seu melhor semestre em receita nos 96 anos de história. A cooperativa gerou receita líquida, de janeiro a junho de 2021, de R$ 2,472 bilhões, aumento de 53,9% comparado ao mesmo período do ano passado, que foi de R$ 1,607 bilhão. Os dados foram apresentados aos cooperados de forma híbrida em reunião na sede em Carambeí (PR).

Os números apresentados estão seguindo o Planejamento Estratégico “Rumo aos 100 Anos”, plano desenvolvido para os próximos cinco anos, quando a cooperativa completará um século. O foco é o crescimento dos negócios de forma estruturada para gerar ainda mais valor aos associados.

O presidente da Frísia, Renato Greidanus, destacou o empenho dos cooperados e colaboradores na obtenção desse resultado. “É muito gratificante ver um time que está presente no dia a dia, buscando sempre a melhor eficiência, que nos dá oportunidade de sermos competitivos nos nossos negócios. Fazendo uma avaliação desse primeiro semestre só temos a agradecer pelo trabalho, pelas possibilidades, por tudo que realizamos”.

“O aumento de custos que nós estamos tendo, com pressão da inflação e alta nos preços dos insumos, se reflete nos nossos números”, explica Nevair Mattos, gerente administrativo e financeiro da Frísia. “Buscamos eficiência em outros negócios de forma a compensar o aumento de custo”, reforça.

A Frísia tem as marcas próprias Sementes Batavo, Rações Batavo, plataforma Digital Agro, feira ExpoFrísia e TRR Frísia, voltado à comercialização de combustível. Ela também integra o sistema de intercooperação Unium (que engloba cooperativas coirmãs), com as indústrias Moinho de Trigo (farinhas Herança Holandesa e Precisa), Unidade Industrial de Carnes (Alegra), Unidades de Beneficiamento de Leite (Colônia Holandesa, Naturalle e Colaso) e Energik (usina de bioenergia).

Notícias Relacionadas »