08/10/2021 às 13h57min - Atualizada em 08/10/2021 às 13h57min

Colégio da região demite funcionários após denúncia coletiva de assédio sexual

Vítimas afirmam que práticas abusivas vinham acontecendo com mais intensidade após o início das aulas presenciais

Por 'Correio dos Campos'
Foto: Reprodução
Um professor e um profissional do setor administrativo foram desligados do quadro de funcionários do colégio Santa Marcelina, de Piraí do Sul, depois que alunas fizeram uma manifestação durante a manhã de ontem (7) para denunciar as práticas abusivas que, segundo elas, vinham acontecendo com mais intensidade desde o início das aulas presenciais, há cerca de um mês.

De acordo com os relatos, a mobilização realizada nesta quinta-feira foi organizada diante da omissão de um diretor do colégio, que havia sido comunicado sobre alguns dos casos, mas sem se posicionar em favor da segurança dos alunos, tomando medidas que ao menos apurassem as denúncias.

Os casos

Conversas mantidas entre o professor e as alunas foram registradas e reveladas durante a manifestação que ocorreu no pátio da instituição na manhã de ontem.

No caso do profissional da área técnica do colégio, foram relatadas conversas diretas entre o suspeito e as alunas, além de olhares para as partes íntimas das crianças e adolescentes e também toques com as mãos nos glúteos das meninas, pelos quais ele sempre pedia desculpas dizendo serem involuntários.

Segundo pais que souberam do caso apenas depois da manifestação, as provas estão sendo juntadas e deverão ser levadas já na semana que vem para o delegado Jairo Luiz Duarte de Camargo.


Procurada para comentar o assunto, a direção do colégio emitiu uma nota de esclarecimento sobre o ocorrido. 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Colégio Santa Marcelina de Piraí do Sul declara repudiar qualquer forma de assédio, informando que as denúncias nos causaram enorme surpresa e forte indignação, considerando que afronta diretamente nossa missão institucional (transformar a sociedade à luz do Evangelho, tendo a ciência como instrumento e meio, oferecendo ao ser humano formação em sua totalidade).
No dia 07/10, imediatamente após tomar conhecimento dos relatos, a Diretora da Unidade tomou todas as medidas cabíveis (contato com as famílias; afastamento dos profissionais; apuração preliminar dos fatos e instauração de sindicância interna).
E ainda, com o objetivo de intensificar o combate e a prevenção ao assédio na Rede Santa Marcelina, informamos que serão adotadas as seguintes providências:

• Criar um canal sigiloso para recebimento de denúncias de membros da
 comunidade escolar;
• Promover campanhas permanentes de combate ao assédio;
• Definir plano de acompanhamento e apoio psicológico aos estudantes
envolvidos.

Nossa prioridade é, e sempre será, assegurar a integridade física, emocional e psicológica dos nossos colaboradores e todos aqueles que nos foram confiados.


Informações são do 'Correio dos Campos'
Notícias Relacionadas »