17/10/2021 às 12h57min - Atualizada em 17/10/2021 às 12h57min

Caminhoneiros prometem greve se governo não baixar diesel

Caminhoneiros reivindicam também a "defesa da constitucionalidade do Piso Mínimo de Frete" e o retorno da aposentadoria especial após 25 anos de contribuição

Foto: Antônio Cruz/ABR
Grupos de caminhoneiros prometeram, após reunião no Rio de Janeiro, uma nova paralisação a partir de 1º de novembro caso suas reivindicações não sejam atendidas pelo governo Bolsonaro, entre elas a queda do preço do diesel. No encontro, associações de motoristas decidiram declarar "estado de greve" de 15 dias.

Além da reivindicação da diminuição do preço do diesel, os caminhoneiros reivindicam também a "defesa da constitucionalidade do Piso Mínimo de Frete" e o retorno da aposentadoria especial após 25 anos de contribuição ao INSS. A greve não é apoiada pela Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros).

Vídeo da reunião no Rio começaram a circular pelos aplicativos de mensagem na noite deste sábado (16).

"Ficou decidido que vamos dar 15 dias para o governo responder", declarou Luciano Santos Carvalho, do Sindicam (Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira). "Se não houver resposta de forma concreta em cima dos direitos do caminhoneiro autônomo, dia 1º de novembro, Brasil todo parado aí."

A informação foi confirmada ao portal 'UOL' por Wallace Landim, o Chorão, uma das principais lideranças de caminhoneiros autônomos do país e presidente da Abrava (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores).

"A nossa categoria está na beira do abismo. Hoje ficou decidido que estamos em estado de greve pelos próximos dias. E se as nossas reivindicações, principalmente com relação ao preço do diesel, não forem aceitas, a gente começa uma greve no dia 1º", disse Chorão.

O presidente da Abcam, José da Fonseca Lopes, disse ao 'UOL' que a entidade não apoia o movimento. "A pauta deles é muito extensa, e o principal para ser resolvido agora, que é a redução do preço do diesel, acaba se perdendo", afirmou.

Os grupos de caminhoneiros autônomos têm ensaiado novas paralisações desde o primeiro semestre, em meio a reivindicações de direitos para os motoristas independentes e diminuição do preço do diesel, vendido em média a R$ 4,961, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

A categoria diz que busca propostas mais sólidas do presidente Jair Bolsonaro e que gerem efeitos práticos para os motoristas, conforme informou a colunista do 'UOL' Carla Araújo. Segundo Chorão, a proposta do governo de lançar um programa de renovação de frota de caminhões é uma tentativa de driblar as reclamações da categoria.

A aprovação do projeto que altera a cobrança de ICMS dos combustíveis pela Câmara é vista com "bons olhos" pelos caminhoneiros.

Informações são do 'UOL'

Notícias Relacionadas »