11/03/2021 às 17h20min - Atualizada em 11/03/2021 às 17h20min

Super Mulheres: Thais Labre, atenção total às pessoas

A diretora-presidente da CCR RodoNorte, Thais Labre, é movida pelo ideal de cooperar com a atenção e o desenvolvimento de pessoas. Enquanto faz isso, ela coloca em prática o sonho de transformar a infraestrutura do Paraná

Por Rafael Guedes
Foto: Rodrigo Czekalski
A diretora-presidente da CCR RodoNorte, Thais Labre, dedica a sua vida à concessionária há mais de 20 anos. Formada em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), pós-graduada em Engenharia Rodoviária e com MBA nas áreas de gestão de projetos, gestão de negócios e finanças, a ponta-grossense integra o quadro de colaboradores da unidade desde 2000. Nesse período, ela participou diretamente em frentes de obras de duplicação e conservação nas rodovias cuidadas pela concessionária e liderou áreas como Conservação Rodoviária, Atendimento, e Administração do Contrato. Em 2013, ela passou a atuar como gestora administrativo-financeira, ficando responsável por mais de 500 quilômetros de rodovias federais e estaduais do Paraná. E, em março de 2020, após uma longa jornada de serviços prestados à concessionária, ela foi empossada como diretora-presidente da unidade. Nesta série de entrevistas com mulheres empoderadas de Ponta Grossa, Thais fala sobre como é ser uma super mulher. 

Qual é a sua filosofia de trabalho?

Aqui na CCR RodoNorte é fundamental compreender que, além da prestação de serviço púbico, o atendimento é dedicado em sua totalidade para as pessoas, quer seja em nossas viaturas de assistência aos clientes, nas ambulâncias ou até mesmo nos serviços e obras que transformam e melhoram a infraestrutura. Assim, todos os meus esforços são dedicados às pessoas, sejam elas nossos colaboradores, sejam elas nossos clientes, os motoristas. Para mim, é óbvio que os nossos colaboradores precisam estar satisfeitos, habilitados e informados, para que possam atender nossos clientes, proporcionando as melhores experiências nas rodovias administradas pela companhia. A satisfação das pessoas somente ocorre se a CCR RodoNorte for promotora de desenvolvimento em geração de renda, carreiras e melhores rodovias. Cada vez mais tenho calcado os meus valores na atenção e no desenvolvimento das pessoas.

Quais foram, até agora, as suas realizações que te deixaram mais orgulhosa?

Tenho 21 anos na CCR RodoNorte, passando por várias áreas de atuação. Ao longo desse período, muitas ações aconteceram, a vida profissional aqui sempre foi muito intensa. É difícil destacar somente algumas, e as mais recentes são as mais frescas. Então não posso deixar de destacar a abertura dos Centros de Apoio ao Caminhoneiro, em São Luis do Purunã e em Mauá da Serra, onde, neste momento difícil de pandemia, distribuímos mais de 60.000 kits de alimentação e higiene, além dos serviços de atendimento pré hospitalares, médicos, de higienização e mecânicos prestados. Esses Centros apoiaram a continuidade do trânsito dos caminhoneiros, garantindo que alimentos e remédios chegassem aos seus destinos. Estive visitando os Centros em funcionamento e confesso que fiquei emocionada em ver nossas equipes atendendo com uma dedicação imensurável, e os motoristas recebendo apoio em um momento difícil. Foi fantástico, e a sensação é indescritível. Nesses momentos, sinto a honraria que é cuidar de rodovias e, consequentemente, de vidas. 

 
Sinto a honraria que é cuidar de rodovias e, consequentemente, de vidas

E qual foi o maior desafio que você enfrentou na sua carreira até agora e como o superou?

Sem dúvidas, está sendo este momento de pandemia. Diferente de outras tantas situações que requeriam decisões complexas, agora convivemos com muitas incertezas. Precisamos continuar garantindo a segurança e o atendimento nas rodovias, salvaguardando tanto as vidas que trafegam por elas quanto o atendimento dos protocolos definidos pelo time de saúde ocupacional do Grupo CCR, que visam garantir a segurança e a continuidade do trabalho dos nossos colaboradores. Novamente, estamos tratando de vidas, e não podemos correr nenhum risco. Graças às ciências, à tecnologia e aos esforços dos grandes pesquisadores, a vacina chegou. Então esperamos superar esse momento com o avanço do calendário de imunização. Enquanto isso, estamos cuidando de nós e das pessoas que estão conosco.

 Você acredita que as mulheres trazem um toque especial para o mundo profissional?

Acredito que a competência está no ser humano, independente do gênero. O que ocorreu em nosso passado foi uma subestimação das mulheres, que, graças às pioneiras e à atual força feminina, está ficando para trás. 

 
Cada vez mais tenho calcado os meus valores na atenção e no desenvolvimento das pessoas

Quais são as mulheres que te inspiram? E como elas te inspiram?

São várias, mas não dá para deixar de lembrar daquelas que no passado enfrentaram, com absurda coragem, estigmas cruéis. Aqui destaco grandes inspirações, como Enedina Alves Marques, que foi uma pioneira engenheira brasileira, entrando na história do Paraná como a primeira a se formar em Engenharia e primeira engenheira negra do Brasil; e Marie Curie, cientista polonesa, que foi a primeira mulher a ganhar um prêmio Nobel de Física, que teve uma infância de muitas dificuldades e que fugiu da proibição e falta de oportunidade para mulheres na ciência. Ressalto também a Dra. Zilda Arns, reconhecida como uma das maiores humanitárias do Brasil, que foi importantíssima para a redução da mortalidade infantil no país. Recentemente, li o livro da Melinda Gates, ‘O Momento de Voar’, e fiquei impressionada com a capacidade de objetivar ações de empoderamento de meninas e mulheres para ajudá-las a realizar o próprio potencial.

Que conselho você daria às mulheres que estão começando a carreira profissional?

Que busquem boas oportunidades em companhias que valorizam o potencial e a competência, independente do gênero. Percebo um momento muito especial em que cada vez mais as empresas dedicam-se a propósitos sustentáveis e à diversidade.

 
Quero deixar o meu legado e fazer a diferença na vida das pessoas que estão comigo

O que você ainda gostaria de realizar? Qual é o seu grande sonho para a vida ou a profissão?

Concretizar a transformação da infraestrutura do meu estado, o Paraná, e cada vez mais gerar boas oportunidades às pessoas que estão aqui na CCR RodoNorte. Quero deixar o meu legado, e fazer a diferença na vida das pessoas que estão comigo. O meu sonho para a vida é conseguir fazer que os meus filhos sejam pessoas que façam a diferença no mundo; e, profissionalmente, o meu sonho é retornar de fato à engenharia, minha grande paixão. Brinco que quero encerrar a minha carreira – num futuro muito longo ainda – no mesmo lugar onde comecei: nas obras, no barro, sentindo o cheiro do asfalto.

Defina o que é ser mulher em poucas palavras.

Para a minha geração, ser mulher é ter a missão de consolidar a transformação, demonstrando a nossa igualdade de capacidade, e encorajando outras sobre as suas competências.

Notícias Relacionadas »