13/03/2021 às 16h21min - Atualizada em 13/03/2021 às 16h21min

Portos do Paraná se reúne com sindicatos portuários para assegurar a saúde dos trabalhadores

Empresa pública está empenhada na vacinação prioritária da categoria

Da redação
Foto: Divulgação
Um ano após os primeiros casos confirmados de COVID-19 no Estado, a Portos do Paraná reuniu, nesta sexta-feira (12), representantes dos principais sindicatos da atividade portuária e reafirmou seu compromisso com a saúde e segurança de todos os trabalhadores. Além do investimento em equipes de saúde 24 horas, disponibilização de álcool em gel, torneiras e sabonete líquidos, entre outros, a empresa pública também está empenhada na vacinação prioritária da categoria, que atua numa atividade essencial e que não parou durante a pandemia.

“Os Portos de Paranaguá e Antonina são os mais eficientes do Brasil por conta de muita tecnologia, investimento, mas essencialmente da competência dos trabalhadores. Eles têm enfrentado a pandemia com muita dedicação e não deixam o Porto parar. Os insumos para a vacina, alimentos e peças chegam e saem pelos Portos do Paraná e são os trabalhadores responsáveis por colocar e tirar essa carga dos navios, então precisamos ter um cuidado especial”, destacou André Pioli, diretor de Desenvolvimento Empresarial.

De acordo com ele, todas as reivindicações colocadas na mesa foram registradas e terão soluções analisadas pela Portos do Paraná, mas a grande preocupação fica por conta da vacinação. “Nós sabemos que os portuários estão numa lista de prioridades, porém a vacina está chegando com uma dificuldade muito grande para atender a todos os grupos prioritários e, tão logo cheguem, todos serão vacinados”, apontou o dirigente.

Segundo o secretário do Trabalho e Assuntos Sindicais da Prefeitura de Paranaguá e também estivador, João Antônio Lozano Batista, o aumento dos casos de COVID-19 preocupa os trabalhadores. “Sabemos que a renda da cidade de Paranaguá depende muito do Porto e nós, como categorias essenciais, viemos fazer reivindicações sobre a pandemia para que tenha algumas melhorias porque, com a nova onda da COVID, a gente se preocupa muito”, justificou.

Além da questão da vacina, os sindicatos também pediram a instalação de banheiros químicos, quando houver operações especiais, e mais segurança no trabalho. “Essa reunião foi importante com a diretoria atendendo algumas reivindicações, ouvindo e trazendo algumas respostas e, nós como diretoria, viemos trazer algumas demandas do trabalhador”, analisou Oziel Felisbino, presidente do Sindicato dos Arrumadores.

De acordo com o diretor de Operações Portuárias Luiz Teixeira da Silva Júnior todos os pedidos serão estudados.

Também estiveram presentes representantes do Sindicato dos Transportadores Autônomos, da Copadubo, Sindicato do Bloco, Sindicato dos Conferentes, Sindicato dos Conferentes, Sindicato dos Estivadores, Sindicato dos Trabalhadores da Portos do Paraná, Sindicato dos Vigias, Sindicato dos Arrumadores, Federação Nacional dos Estivadores e o vereador Ezequias Maré Rederd.

Notícias Relacionadas »