23/03/2021 às 15h16min - Atualizada em 23/03/2021 às 15h16min

​Pauliki e Hang lançam abaixo-assinado em prol da compra de vacinas pela iniciativa privada

Até o fechamento desta matéria, a petição já tinha 100 mil assinaturas

Da redação
Foto: Reprodução / Facebook
O empresário ponta-grossense Marcio Pauliki, presidente comercial das Lojas MM, se uniu a Luciano Hang (Havan), Carlos Wizard (Pizza Hut, KFC, Wise up) e mais 100 empresários para lançar um abaixo-assinado em prol da compra de vacinas contra a COVID-19 pela iniciativa privada. Até o fechamento desta matéria, a petição já tinha 100 mil assinaturas (clique aqui para ver). 

Confira o manifesto postado junto ao abaixo-assinado: 

O Brasil e o mundo estão passando por uma situação de emergência e calamidade pública em razão da pandemia de coronavírus, que já matou 2,6 milhões de pessoas. É preciso a união de todos para frear o avanço do vírus. Por isso, trabalhadores, empresários e brasileiros solicitam ao Congresso Nacional, através deste abaixo-assinado, que as Leis que tratam sobre a compra, a distribuição e a administração de vacinas por parte da iniciativa privada, sejam revistas o mais rápido possível.

No momento, apenas o Poder Público pode comprar e aplicar vacinas. O Brasil é um país continental, com mais de 210 milhões de habitantes e, infelizmente, estamos chegando a 300 mil brasileiros vítimas da covid-19

Considerando a lentidão dos serviços oferecidos pelo Estado, devido aos diversos entraves inerentes à máquina pública, é possível que leve muito tempo até toda a população ser imunizada. Essa realidade pode ser diferente com a participação da iniciativa privada, que está engajada em agilizar e acelerar o processo de aquisição, distribuição e aplicação da vacina.

A proposta é de que pessoas jurídicas de direito privado, como empresas e empresários, tenham autorização para comprar vacinas com registro sanitário concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou, até mesmo, imunizantes que tenham registros internacionais. Para que assim, possam, em caráter de doação (não havendo nenhum interesse em obtenção de lucro), vacinar os colaboradores, imunizando um grande grupo da população ativa. 

Hoje, a Lei nº 14.125, de março de 2021, (leia na íntegra clicando aqui) impossibilita o objetivo por parte de empresas e empresários de vacinar colaboradores, já que autoriza, apenas, a compra pela iniciativa privada caso seja feita doação de 100% das vacinas para o Sistema Único de Saúde (SUS).

ATENÇÃO: Vale deixar claro que, de forma alguma, esse abaixo-assinado tem a intenção de interferir ou “furar” a fila de vacinação do grupo prioritário, que compreende quase 78 milhões de brasileiros. O que se pretende é fazer um trabalho paralelo e solidário ao SUS, trazendo a agilidade da iniciativa privada para o processo de vacinação no Brasil.

Há mais de um ano o país e a população sofrem com as medidas restritivas que tentam conter a pandemia. As consequências vão além da crise na saúde. Atingem a economia, a educação, o esporte, as empresas, os empregos, a confiança e a credibilidade do Brasil. A burocracia brasileira está matando mais de 2 mil pessoas por dia. A iniciativa privada pode e quer somar nesta corrida pela vida. A vacinação em massa da população é o caminho para que se tenha o retorno da vida normal.

Notícias Relacionadas »