25/03/2021 às 09h55min - Atualizada em 25/03/2021 às 09h55min

​Vereadores de Curitiba propõem “tratamento precoce” gratuito contra COVID-19

Secretária municipal da Saúde contesta: “Apesar de as pessoas insistirem com as bobajadas aí, não há nenhuma droga que seja eficaz contra a COVID-19"

Da redação, com informações do 'Bem Paraná'
Foto: Divulgação
Quatro vereadores de Curitiba – Eder Borges (PSL), Ezequias Barros (PMB), Pastor Marciano Alves (Repu) e Sargento Tânia Guerreiro (PSL) – apresentaram, nesta quarta-feira (24), projeto solicitando à Secretaria Municipal de Saúde que disponibilize medicamentos gratuitos para o chamado “tratamento precoce” contra a COVID-19, informa o ‘Bem Paraná’. Segundo o portal, os parlamentares argumentam que “já existem evidências científicas que possibilitam a indicação de terapia farmacológica segura e eficaz para a COVID-19”.

"As medidas de tratamento farmacológico da COVID-19, como ‘o tratamento inicial’ ou outras formas de abordagem dessa doença, estão amparadas pelo parecer do Conselho Federal de Medicina [CFM] nº 004/2020, de 16 de abril de 2020, e pela Nota Informativa nº17/2020/SE/GAB/MS, do Ministério da Saúde, de 11 de agosto de 2020", justifica o projeto. Os vereadores defendem também que todas as medidas "potencialmente úteis" devem ser consideradas em situações pandêmicas graves, desde que a autonomia do médico e o princípio ético da não – maleficência sejam respeitados. 

Em publicação recente nas redes sociais, a vereadora Sargento Tânia Guerreiro (PSL) afirmou que, enquanto toda a população não estiver vacinada, o município de Curitiba precisa garantir a proteção de todos. “Ninguém é obrigado a fazer esse tratamento, mas quem quer precisa ter o direito e acesso ao mesmo, incluindo a população mais carente”, comentou. Defensores do uso desses medicamentos, Eder Borges, Marciano Alves e Ezequias Barros ressaltam que o tratamento estará condicionado à avaliação médica.

“Bobajadas”

Em recente audiência pública na Câmara, a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, disse que “apesar de as pessoas insistirem com as bobajadas aí”, não há nenhuma droga que seja eficaz, no mundo, contra a COVID-19. “O que temos são vacinas”, afirmou. 

Notícias Relacionadas »