02/02/2021 às 15h02min - Atualizada em 02/02/2021 às 15h02min

Após rebaixamento, torcedores do Paraná protestam na Vila Capanema

Atualmente, o clube acumula uma dívida de R$ 121 milhões, entre pagamentos em carteira e direitos de imagem dos jogadores

Da redação
Foto: Divulgação / Vinicius de Moraes
 

A torcida do Paraná Clube protestou, no último dia 31, após o rebaixamento do time para a Série C do Brasileirão. Faixas com as mensagens “2021 já começou, transparência!”, “Sócios para todos, preço acessível” e “As mudanças não podem parar. Planejamento responsável!” foram penduradas nas grades da Vila Capanema.

Após a renúncia do presidente Leonardo Oliveira, foi prometido um novo plano de associados para fevereiro. O interino Sérgio Moletta, que assumiu recentemente o comando, anunciou que os jogadores Paulo Henrique e Renan Bressan não permanecem por conta de cortes orçamentais.

Atualmente, o clube acumula uma dívida de R$ 121 milhões, entre pagamentos em carteira e direitos de imagem dos jogadores. Felipe Gil, técnico do time, se demitiu e desfalcou o elenco. Márcio Coelho assumiu pedindo condições mínimas para continuar. “Eu gostaria de ficar. O que vai pesar muito na decisão são as condições do clube para viabilizar que eu tenha condições mínimas de trabalho para executar de maneira satisfatória”, declarou em entrevista coletiva.

Sobre os jogadores, a diretoria admitiu anteriormente que manter Fabrício, Paulo Henrique e Bressan fugia da realidade por causa do orçamento. " O orçamento é muito baixo. São salários que fogem da realidade da maioria dos clubes da Série C. Vamos conversar com os empresários para achar uma solução", explicou Moletta.

A idade de Fabrício e Bressan, ambos com mais de 30 anos, dificulta negociações vantajosas. Paulo Henrique é a esperança do caixa. O lateral de 24 anos tem vínculo até o final de 2021 e pode ser vendido com facilidade para divisões acima. Como o rebaixamento para a Série C deixou o clube sem a cota de televisão, principal recurso do orçamento, e a pandemia de COVID-19 afetou a questão das bilheterias e a relação do número de sócios associados, que chegava a mil, a diretoria se encontra na necessidade de um novo planejamento. 

Felipe Albuquerque, que estava no Paysandu, é um dos nomes cotados para novo dirigente, mas o presidente negou que o contrato foi assinado. Coelho já havia deixado claro que o planejamento era uma necessidade, principalmente na questão financeira. Em seis jogos, o técnico teve baixo desempenho, com aproveitamento de 22,2 %. O Paraná ficou em 18.º colocado na tabela do Brasileirão, com 37 pontos.

 


Notícias Relacionadas »