30/06/2022 às 13h38min - Atualizada em 30/06/2022 às 13h38min

Mito ou verdade: frio desencadeia fome e desejo por alimentos mais calóricos?

Metabolismo acelerado e regulação da temperatura corporal são alguns dos motivos para a ingestão de alimentos mais pesados e guloseimas

Da assessoria
Foto: Reprodução
Com a chegada do inverno e a queda dos termômetros, o apetite por alimentos ricos em calorias, carboidratos e gordura aumenta. Efeito psicológico ou necessidade fisiológica? A estação mais fria do ano afeta a atividade metabólica do organismo, já que o corpo produz mais energia para equilibrar a temperatura corporal e mantê-la adequadamente em torno de 36,5ºC. Com o metabolismo acelerado, o corpo envia sinais para o cérebro aumentar a sensação de fome, o que implica em um maior consumo de alimentos. 

“É uma sábia resposta do organismo. Como forma de autopreservação, quando o corpo está em contato com uma temperatura ambiente inferior à homotermia, ou seja, temperatura normal do corpo, ele responde com maior gasto calórico para aquecer e restaurá-lo à temperatura ideal. E daí, vem os sinais de fome e desejo por comidas com maior densidade calórica e ricos em carboidratos”, explica a nutricionista e consultora da Jasmine Alimentos, Adriana Zanardo. 

Entretanto, cabe diferenciar a fome fisiológica e metabólica da fome emocional. “Fome é a necessidade fisiológica do organismo de se alimentar nutricionalmente para manter as suas atividades vitais. A fome emocional que sentimos no frio é aquele desejo específico por comidas que aquecem, conhecidas como comfort food. Geralmente, a fome por uma guloseima específica é o desejo psicológico”, complementa Adriana. 

Inverno não é um convite ao sedentarismo e à mesa

Por mais que o organismo precise de um maior aporte energético para exercer suas funções metabólicas, é preciso cautela para não cair em tentações e ingerir apenas alimentos gordurosos e nocivos à saúde. “Preste atenção ao seu corpo. Ele nos fornece sinais de fome verdadeira ou quando estamos tristes, entediados ou ansiosos, buscando o conforto e a distração do alimento”, aponta a nutricionista. Confira algumas dicas da especialista para enfrentar as temperaturas baixas. 

Hidratação

No inverno, o corpo sofre alterações hormonais que reduzem a sensação de sede. “No frio, fazemos menos atividades físicas e não sentimos tanto calor. Somada à mudança hormonal, o copinho de água fica esquecido”, explica Adriana. Independentemente da estação, é necessário manter-se hidratado para contribuir na absorção de vitaminas hidrossolúveis e proteínas, além de facilitar a digestão. A dica para manter o hábito é deixar sempre uma garrafinha por perto e não esperar sentir sede. É importante também observar a urina, o odor forte e a cor escura são sinais de desidratação.

Vitamina C

Para manter a imunidade e a alimentação de qualidade, é fundamental consumir frutas que são fontes de vitamina C e agem em defesa do organismo contra agentes externos e estranhos ao corpo, como vírus e bactérias, evitando assim gripes e resfriados. O nutriente é encontrado em frutas como limão, laranja, acerola, goji berry, abacaxi, maracujá, kiwi e goiaba, além de vegetais como brócolis, couve e salsa. É possível também a suplementação da vitamina, porém, a nutricionista recomenda que a indicação do uso seja feita somente por profissionais de saúde. 

Comida quentinha e adaptada ao clima

Uma alternativa para garantir a comfort food e a sensação de bem-estar com a alimentação é substituir os legumes e as folhas da salada fria por alimentos refogados, feitos no vapor ou, ainda, como sopa. Em relação às frutas, uma dica é aquecê-las no forno ou no microondas e salpicar canela em pó, ótimo termogênio e adoçante, para um docinho mais saudável. 

Alimentos termogênicos: aquecendo de dentro para fora

Importantes aliados durante o inverno, os alimentos termogênicos ajudam a elevar a temperatura corporal. Alguns dos ingredientes naturais que aumentam nosso gasto energético são: chá verde, pimenta, gengibre e canela. 

Snacks saudáveis para a fome fora de hora

A indicação para a clássica fome no meio da tarde são as frutinhas secas e nuts, que  costumam ser mais práticos para carregar e não perdem seus nutrientes e vitaminas. Além do mais, as sementes e nuts também ajudam a diminuir o consumo de doces e salgadinhos nas  “beliscadas” durante o dia. “Outra ótima dica é incluir sementes e cereais nas refeições como iogurte, sopas e até na salada de frutas. Chia, linhaça e berries são algumas opções para o cardápio e ajudam a manter a energia e são boas fontes de gordura, aumentando a sensação de saciedade”, explica a gerente de P&D da Jasmine Alimentos, Melissa Carpi. 

“As oleaginosas como nozes, amêndoas e castanhas também são excelentes fontes de ácidos graxos insaturados, que contribuem para o nosso sistema cardiovascular e aumentam a sensação de energia. Com mais disposição, menos preguiça e vontade de comer bobagem”, complementa Adriana. 

Vontade de doce? É possível

“É comum desejarmos alimentos hiperpalatáveis, ou seja, aquele que possui ingredientes que dão imediata sensação de bem-estar e satisfação. O açúcar é um desses ingredientes”, explica a gerente de P&D da Jasmine Alimentos. Não é preciso abrir mão do docinho, apenas saber escolher com cautela. “A Jasmine tem em seu portfólio diversos cookies e biscoitos saudáveis, integrais e deliciosos, com açúcar mascavo ou zero açúcar, mas que não deixam a desejar no quesito sabor”, acrescenta. 

Cereais do bem

“Aqui não entram os cereais cheios de açúcar refinado e corantes!”, alerta a nutricionista. A aveia, além de muito versátil, é rica em triptofano e carboidratos de baixo índice glicêmico que fornecem energia gradualmente e ajudam com a sensação de saciedade. 

Xô, preguiça: mantenha as atividades físicas

Um curioso estudo conduzido por cientistas da Austrália e dos Estados Unidos concluiu que “tremer de frio” pode auxiliar na queima de gordura, assim como na prática de exercícios moderados. “Não precisa sofrer! Basta vencer a preguiça e manter as atividades físicas”, explica Adriana. No frio, o corpo tende a queimar mais calorias, já que precisa se manter aquecido. Ainda, o exercício físico em dias gelados apresenta menos riscos à saúde, pois diminue o risco de desidratação e contribue para o funcionamento cardiovascular.

Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Fale com NCG News!